segunda-feira, 4 de abril de 2011

Inconstância - FLORBELA ESPANCA


"Procurei o amor, que me mentiu.
Pedi à Vida mais do que ela dava;
Eterna sonhadora edificava
Meu castelo de luz que me caiu!

Tanto clarão nas trevas refulgiu,
E tanto beijo a boca me queimava!
E era o sol que os longes deslumbrava
Igual a tanto sol que me fugiu!

Passei a vida a amar e a esquecer...
Atrás do sol dum dia outro a aquecer
As brumas dos atalhos por onde ando...

E este amor que assim me vai fugindo
É igual a outro amor que vai surgindo,
Que há-de partir também... nem eu sei quando...
"
Florbela Espanca

4 comentários:

  1. «Atrás do sol dum dia outro a aquecer
    As brumas dos atalhos por onde ando»

    Que perfeição!

    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida, dos melhores poemas de Florbela Espanca... :)

    ResponderEliminar
  3. Fernando, é perfeição de ler Florbela Espanca.

    ResponderEliminar
  4. Concorso Margarida... beijinhos

    ResponderEliminar